A offseason de Najee Harris dos Steelers inclui passagem no ringue de luta livre, planos para a Cidade do México – Pittsburgh Steelers Blog

PITTSBURGH – Najee Harris não tinha planos de entrar no ringue no evento All Elite Wrestling em Pittsburgh na noite de quarta-feira.

Mas quando os Steelers encontraram o lutador profissional Britt Baker, um nativo de Punxsutawney, Pa. e fã dos Steelers, no centro de treinos no início da semana, ele começou a traçar um plano.

“Eu estava lá em cima conversando com alguns treinadores sobre alguns caras do draft e então encontrei ela”, disse Harris à ESPN na quinta-feira. “Nós estávamos conversando, e eu estava tipo, ‘Quando você tem um jogo?’ Ela disse “amanhã”, e eu fiquei tipo, atire, deixe-me parar. E então eu fui.

Harris, que está de volta a Pittsburgh para o início dos treinos voluntários dos Steelers, recebeu um telefonema de Baker no dia seguinte dizendo que estava interessada nele e que o tight end Pat Freiermuth fazia parte de sua partida. Harris apareceu atrás de Baker acenando com uma bandeira gigante de Toalha Terrível, enquanto Freiermuth acenava com uma Toalha Terrível menor.

“Estávamos pensando nas coisas rapidamente depois disso”, disse Harris, que acrescentou que assistia ao wrestling com seus amigos enquanto crescia. “Eu estava tipo, ‘Atire, deixe-me pegar esta bandeira aqui, então. Deixe-me sair e eu vou atrás de você como se você fosse o campeão.

Uma vez que Baker venceu sua luta, Harris e Freiermuth pularam no ringue enquanto a lutadora começava a falar mal de seus futuros oponentes. Depois que Baker terminou, Harris pegou o microfone e se preparou para fazer sua própria promoção de luta livre. Mas os organizadores do evento rapidamente o desligaram e deram um intervalo comercial.

“Eles foram espertos o suficiente para cortar o microfone, que foi o que aconteceu”, disse Harris com uma risada. “Eu ia dizer merda. Agarrei-a porque ela estava se afastando, e tirei da mão dela. Comecei a dizer coisas. Mas eles fizeram o que tinham que fazer e desligaram o microfone.

Na manhã de quinta-feira, Harris trocou o microfone por um apito e liderou um grupo de alunos da sétima e oitava séries da Greenfield Elementary através de uma pista de obstáculos como parte do evento Frosted Flakes Mission Tiger da Kellogg’s. A empresa anunciou uma doação para ajudar 38.000 alunos do ensino médio da Escola Pública de Pittsburgh a participar de esportes, incluindo equipamentos para o time de futebol americano de bandeira mista de Greenfield.

Desta vez, há um ano, Harris estava se preparando para o draft da NFL e deu uma festa no Greater Richmond Interfaith Program, um dos abrigos onde ele e sua família moravam na Bay Area. Este ano, Harris está levando seus projetos diurnos internacionalmente.

Harris viaja para o México, designado no ano passado como zona de marketing internacional dos Steelers, para um tour pela capital.

Ele também sediará uma festa de draft lá, onde anunciará a escolha de quarta rodada dos Steelers.

Esta será a primeira viagem de Harris para fora do país.

“Vamos passear pela Cidade do México por dois, três dias”, disse Harris, que acabou de receber seu passaporte na semana passada. “Estamos apenas começando, vendo a cultura. É louco. Vai ser divertido.”

Antes de sua viagem, Harris retornou a Pittsburgh, onde esteve por cerca de uma semana, após um período de treinamento fora de temporada em Houston. Ele tirou três semanas de folga após sua temporada de estreia de 10 touchdowns e 1.200 jardas e voltou a treinar após o Super Bowl. Ele lentamente voltou ao ritmo, trabalhando com um fisioterapeuta para exercitar músculos específicos que não recebiam muita atenção na sala de musculação antes de passar para o resto de seu trabalho.

“Três semanas não parece muito agora que eu digo, mas foi muito”, disse Harris sobre sua pausa. “Era muito quando eu estava relaxando. Se tenho um ano ocupado com o trabalho, faço muitas pausas. Como relaxar, relaxar meu corpo, dormir muito mais.

Ele também passou parte da offseason conhecendo o novo quarterback dos Steelers, Mitch Trubisky.

“Logo quando o pegamos e ele assinou, eu voei naquele dia de Houston”, disse Harris. “Fiquei lá por pelo menos 8 horas relaxando com ele e cortando com ele. Trocamos números e estamos conversando desde então. Estávamos juntos na Flórida e estamos aqui agora juntos.

“… Mitch é muito legal. Ele está aberto a tudo. Ele tenta entender quem ele tem ao seu redor com os jogadores. Apenas como as coisas são. Ele faz seu trabalho muito bem. Ele tem a oportunidade de jogar, então ele aceita isso.

Harris disse que o braintrust dos Steelers o manteve informado sobre seus planos de free agency, e ele até os ajudou a assinar com o cornerback Levi Wallace, outro produto do Alabama.

“Eles me ligaram quando confirmaram que tinham (Trubisky)”, disse Harris. “Durante todo o processo, eles me mantiveram atualizado sobre quem estavam recebendo.”

Leave a Comment