Ben Foster não se machuca ao interpretar sobrevivente do Holocausto transformado em boxeador em filme da HBO

JTA – Perto do final do novo filme da HBO, “The Survivor”, o personagem da estrela Ben Foster tem um momento de profunda autoconsciência.

Foster, interpretando Harry Haft, um sobrevivente que virou boxeador profissional de Auschwitz da vida real, finalmente se depara com o fato inescapável de sua existência: depois de vivenciar o trauma dos campos de extermínio, ele terá que encontrar uma maneira de transmitir sua memória ao pessoas com quem ele vive, ame-o ou deixe-o devorá-lo por dentro.

Confrontado por sua esposa Miriam (Vicky Krieps) sobre a escuridão que ele ainda guarda dentro de si, e se ele está disposto a contar a seu filho sobre isso, Harry desmorona e soluça, desalojando uma nova memória dos campos, esta sobre o que ele tinha fazer com seu melhor amigo para sobreviver.

É um momento poderoso. E é ainda mais notável que toda a cena tenha sido improvisada.

“A cena deveria terminar com Harry dizendo: ‘Você não conhece a pior parte de mim'”, disse Foster à Agência Telegráfica Judaica. “E Miriam deveria se levantar e dar um abraço nela… mas Vicky não se levantou.” Ela não me abraçou. Então eu estou pendurado na pia e ela começa a me antagonizar e fazer perguntas difíceis, e Harry… EU – estava piorando.

Sem saber mais o que fazer, Foster-as-Harry começou a contar a história dos acampamentos, que ele “lembrava” porque a equipe de filmagem, liderada pelo diretor vencedor do Oscar Barry Levinson, já havia filmado os acampamentos. “Ele já estava dentro e começou a cair”, lembrou Foster.

No final da cena, as entranhas metafóricas de Harry estão espalhadas por todo o set, junto com um copo de suco de laranja usado como acessório. Levinson disse a Krieps para sair deliberadamente do roteiro.

“Fiel à forma de Barry, ele não me disse”, disse Foster. Em um set liderado por Levinson, ele disse que “coisas explosivas que parecem vividas podem acontecer”.

“The Survivor”, que estreia na HBO em 27 de abril – Yom HaShoah, Dia da Memória do Holocausto em Israel – depois de estrear no Festival Internacional de Cinema de Toronto no outono passado, não é o seu filme típico sobre o Holocausto. Embora conte a história improvável da sobrevivência de um único judeu, não se debruça sobre a miséria dos próprios campos. A maior parte do filme (que foi co-produzido com a USC Shoah Foundation) se passa após a guerra, quando Harry tenta se estabelecer em uma comunidade judaica do Brooklyn repleta de imigrantes, mergulhada em perdas. Ele usa seu status de sobrevivente para criar uma identidade comercializável (“Neste canto, o orgulho da Polônia, o sobrevivente de Auschwitz!”), mesmo enquanto permanece assombrado por seu tempo nos campos.

Ben Foster como Harry Haft, um sobrevivente do Holocausto que se torna um boxeador profissional, em “The Survivor”, da HBO. (Jessica Kourkounis/HBO)

O filme segue a longa cauda da vida de Harry quando ele se aposenta do boxe, começa uma família, luta contra seus demônios internos e tenta descobrir o que aconteceu com sua namorada de infância nos campos. Para Foster, cuja avó veio da Romênia para os Estados Unidos na década de 1920 para escapar de pogroms antijudaicos, atuar no filme “expandiu minha relação com a coragem daqueles que partiram para vir para cá”.

Também o reuniu com Levinson depois de 23 anos: um dos primeiros papéis de Foster foi como o jovem líder judeu, Ben, na comédia autobiográfica de 1999 “Liberty Heights”, um de uma série de filmes de Levinson baseados na própria educação judaica do diretor. em Baltimore. Foster fez este filme quando tinha 17 anos, como um prelúdio para suas performances mais tarde aclamadas como homens durões, mas profundamente vulneráveis ​​em filmes como “The Messenger”, “Leave No Trace” e “Hell or High”. Water”.

“Eu carreguei Barry comigo todos esses anos”, disse ele.

Embora o retrato de Haft de Foster tenha sido informado pelo filho do boxeador, Alan Scott, que escreveu uma biografia de seu pai, ele não conheceu Scott até que a equipe estivesse imersa nas filmagens. Foster, que cresceu judeu e teve um bar mitzvah, em vez disso trabalhou com um especialista em iídiche em seu sotaque e visitou o memorial de Auschwitz na Polônia, que ele diz ter lhe dado uma ‘obsessão doentia’ em levar seu corpo ao ponto de ruptura: ele continuou uma dieta rigorosa para que ele pudesse parecer magro para as filmagens do acampamento.

“Eu precisava ver meus ossos do peito”, disse ele, acrescentando que era sua maneira de honrar as experiências dos campos. “Quando você vê os horrores disso, e o que os sobreviventes passaram, o que aqueles que perderam passaram, eu não pude de boa fé aparecer no set depois de perder 10 ou 15 libras”.

A partir da esquerda, o ator Kingston Vernes, os filhos do falecido Harry Haft, Helene Stancato, Alan Haft e o ator Ben Foster vistos na estreia mundial de ‘O Sobrevivente’ no Festival Internacional de Cinema de Toronto em 13 de setembro de 2021 em Toronto. Haft está segurando uma foto de seu falecido pai, o boxeador Harry Haft. (Arthur Mola/Invision for Elevation Pictures/AP Images)

Após os segmentos de Auschwitz, a equipe tirou cinco semanas de filmagem e Foster ganhou 50 quilos de músculo para que ele pudesse interpretar Harry em seu auge no boxe. Então, para o terceiro segmento do filme, quando ele retrata Harry como um homem de meia-idade fora de forma, o ator se transformou novamente: “Eu consegui comer tudo glorioso. Eu nunca fui tão feliz.

Para “The Survivor”, Foster trabalhou com um elenco de apoio impressionante, incluindo Krieps (“Phantom Thread”), Peter Sarsgaard, Danny DeVito e John Leguizamo – e o ator israelense Dar Zuzovsky, que interpreta o amor há muito perdido de Harry, Leah. Mas é a co-estrela de Foster em outro filme, “Emancipation”, que está recebendo mais atenção agora: Will Smith, autor do agora infame tapa do Oscar.

Como parte das consequências do abuso de Chris Rock nas câmeras de Smith, seus projetos foram suspensos, incluindo “Emancipation”, um drama de grande orçamento sobre um escravo fugitivo do diretor de “Training Day”, Antoine Fuqua. Foster, que interpreta um apanhador de escravos, não sabe quando o filme será lançado. Mas ele espera que o público possa vê-lo, pois ele considera seu acerto de contas moderno com a escravidão americana como o acerto de contas com o Holocausto em “O Sobrevivente”.

“Da mesma forma que ‘The Survivor’ lida com horrores, atrocidades e sobrevivência, segue um homem que escapa de campos de trabalho nos Estados Unidos”, disse Foster. “Foi chocante, os paralelos… Os paralelos do que fizemos em nosso próprio país [are] vale a pena considerar.

“The Survivor” estreia em 27 de abril na HBO e estará disponível para transmissão no HBO Max.

Contamos uma história crítica

Israel é agora um ator muito maior no cenário mundial do que seu tamanho sugere. Como correspondente diplomático do The Times of Israel, estou bem ciente de que a segurança, a estratégia e os interesses nacionais de Israel estão sempre sob escrutínio e têm sérias implicações.

É preciso equilíbrio, determinação e conhecimento para transmitir com precisão a história de Israel, e venho trabalhar todos os dias com o objetivo de fazer exatamente isso.

Apoio financeiro de leitores como você permite-me viajar para testemunhar tanto a guerra (acabo de regressar de um relatório na Ucrânia) como a assinatura de acordos históricos. E mantém o The Times of Israel o lugar para o qual os leitores de todo o mundo se voltam para obter informações precisas sobre o relacionamento de Israel com o mundo.

Se é importante para você que a cobertura factual e independente do papel de Israel no mundo exista e prospere, peço que apoie nosso trabalho. Você vai se juntar à comunidade do Times of Israel hoje?

Obrigado,

Lázaro Bermancorrespondente diplomático

Sim, vou dar Sim, vou dar Já é membro? Faça login para parar de ver isso

Leave a Comment